Entrevista: Clara Savelli

Olá pessoas, para hoje trouxe uma entrevista com a autora Clara Savelli (autora do livro Tiete!). Espero que gostem!!!

Nos fale um pouco de você.

Oi! Meu nome é Clara Savelli, eu tenho 25 anos, sou autora de Mocassins e All Stars, Acampamento de Inverno para Músicos (nem tão) Talentosos, Tiete!, Chinelo e Salto Alto e diversos contos. Sou carioca, nascida em Outubro de 1991 e uma mulher de mil e uma Resultado de imagem para clara savelliutilidades: escritora, bacharel em Relações Internacionais e advogada.

Vencedora do Prêmio NRA 2009 nas Categorias “Melhor Livro Não-Concluído”, “Melhor Autora” e “Melhor Entrevista”. Vencedora do Prêmio Paulo Britto de Literatura 2011 na Categoria Prosa. Menção Honrosa no Concurso Internacional de Contos Vicente Cardoso 2012. Vencedora do Wattys 2015 e do Wattys 2016. Também sou colunista semanal do blog Psicose da Nina, da Woo Magazine e redatora da Revista Publiquei!

Qual sua fonte de inspiração?

Difícil ser uma só, né? Sou inspirada pelas pequenas coisas! Um filme que assisto, uma música que eu ouço, uma conversa entreouvida na fila do mercado… Eu tive a ideia para a parte principal de Mocassins e All Stars enquanto eu lavava louça, dá para acreditar? Acho que a dica é deixar a mente solta e aproveitar as brechas que a vida te dá para soltar a imaginação e voar alto.

Você tem algum autor como referência para escrita? Qual seu autor favorito?

Minha autora preferida de todos os tempos é a Meg Cabot, autora de Diário da Princesa e de mais 80 livros igualmente maravilhosos. Sou fã dela desde que me lembro por gente e já tive o prazer de encontrá-la duas vezes, quando ela esteve no Rio de Janeiro (em 2009 e em 2015). Ela é minha referência, não só como escritora, mas como ser humano. Adoro a Meg e recomendo que todos vocês conheçam o trabalho dela e o ser humano incrível que ela é.

Existe algum livro que te marcou?

Vários! Tenho muitos livros que marcaram fases da minha vida como, por exemplo, A Marca de uma lágrima (Pedro Bandeira), De Repente dá Certo (Ruth Rocha) e a série Diário da Princesa (Meg Cabot). Todavia, acho que nenhum livro nunca me marcou TANTO quanto Três Metros Acima do Céu (Federico Moccia). Infelizmente, eu acho que o livro não tem mais edição aqui no Brasil. Os direitos eram da Editora Rocco, mas eu nunca mais vi vendendo. A Editora Planeta publica outros livros do autor, inclusive a continuação (que eu odeio e finjo que não existe, rs) de Três Metros Acima do Céu! De todo modo, fica a dica: o livro é maravilhoso e a forma que Moccia escreve cativa o coração de todo mundo!

Seus livros são escritos em fases de sua vida ou são apenas frutos de sua imaginação?

As ideias normalmente surgem em fases da minha vida. Por exemplo, quando eu tive a ideia para Tiete!, eu tinha 15 anos e era apaixonada pelo Zac Efron. Ficava pensando como ele seria e o que aconteceria se nós nos encontrássemos. Pronto: a ideia já tinha sido plantada. Eu já não sou adolescente há alguns anos, mas continuo tendo ideias para livros dessa faixa etária, então acho que é muito fruto da minha imaginação mesmo! Serei uma eterna adolescente mentalmente, pelo jeito J

O que te levou a escrever Tiete! ?

Quando eu comecei a escrever Tiete! e, antes disso, quando eu tive a ideia para o livro, eu queria escrever sobre músicas, filmes e fama. No final das contas, acho que o livro fala sobre sonhar e acreditar no impossível. Sou completamente apaixonada por essa história.

Quando está escrevendo você pede a opinião de alguém? (se sim, de quem e por quê)

Eu confio muito no que os meus leitores me dizem, nos comentários do Wattpad. Leio tudo atentamente para entender o que eles estão achando e de que maneira posso fazer o livro ficar melhor. Durante o processo de escrita, costumo pedir ajuda para o meu namorado (beijo, mor!) quando eu estou empacada em alguma parte específica. Ele sempre surge com umas ideias incríveis (e algumas vezes megalomaníacas) que me ajudam a dar prosseguimento e dinamismo na história. Somos uma dupla e tanto!

Algum de seus personagens (até de outros livros) é baseado em alguém que você conheça?

Sim e não, rs. Diretamente, tenho que dizer que ninguém é totalmente inspirado em alguém que eu conheça. Indiretamente, acho que todos os personagens têm um pouquinho de todo mundo, rs. Não planejei um personagem X pensando em uma pessoa Y, mas acho que meus personagens têm traços de várias pessoas que eu conheço misturadas. De pessoas que eu não conheço também. E até de mim mesma. Pequenos frankesteins.

Como você reage às críticas?

Muito bem! Eu já posto na internet há muitos anos. Antes do Wattpad eu postava minhas histórias no Orkut (inclusive, Mocassins e All Stars foi publicado integralmente por lá). Com os anos eu aprendi a separar as críticas construtivas (que amo e me fazem ser sempre uma escritora muito melhor) das críticas que são feitas apenas para demonstrar ódio gratuito (graças a Deus eu não recebo muitas dessas). Essas últimas, eu simplesmente ignoro. Se não me acrescentarem nada como pessoa e como escritora, não são dignas de minha atenção. As dicas que me ajudam a desenvolver meus talentos e melhoram minhas histórias são sempre muito bem-vindas!

Quais são seus maiores desafios como escritora?

Hoje me dedico integralmente a minha carreira de escritora e o desafio atual tem sido conseguir fazer a roda girar! Ou seja, conseguir fazer com que meus livros me deem dinheiro suficiente para me sustentar e que ainda sobre para que eu possa continuar investindo em livros. Hoje atuo como freelancer em áreas correlatas com a literatura, como redação de artigos, edição e tradução. Organizar meu tempo também é um grande desafio. Mas não troco essa carreira por nenhuma outra (e olha que sou formada em outras duas faculdades).

Vou te fazer a mesma pergunta que fiz na resenha: O que você faria se descobrisse que sua melhor amiga está namorando seu ex e, sem a sua permissão, enviou uma música que você compôs para o concurso que ela ganhou?

(não necessariamente uma música, pode ser um livro, etc.)

Eu ficaria MUITO IRRITADA!!!! A Katerine é um pequeno anjo, convenhamos. Ela aguentou poucas e boas dos amigos e ex-namorados (e de Caio, como definir Caio?) antes das coisas começarem a dar certo para ela. Eu e minha amiga com certeza brigaríamos feio, mas também tenho certeza que faríamos as pazes. Todo mundo tem o direito de errar e o dom está em saber perdoar. E se ela me levasse para Londres como forma de compensar seus erros, ficaria bem feliz, rs! :p