Guia de bolso para escritores iniciantes (Qual a importância do Prólogo?) #7

5e48dc8f78b6bc6351533358ec3d0bbfPrimeira coisa que você pensa na hora de começar a escrever um livro é, usar ou não usar um prólogo? E eu admito, a tentação de usar é muita. As informações que eu passarei para vocês vão ser de caráter pessoal, vão ser minhas ideias e conclusões sobre o assunto, então, não tire isso como verdade absoluta para a sua escrita.

Primeiramente vamos descobrir para que serve um prólogo. Geralmente o autor usa esse tipo de coisas ou para passar alguma informação sobre a história do livro, geralmente alguma informação que ocorreu anteriormente, e que não daria para adicionar ao livro sem ficar algo estranho. Outro motivo para usar é adicionar informações sobre o universo da história. Pode ser usado para informar ao leitor algo que seja muito importante para que ele entenda o livro, por exemplo: vamos supor que seu livro é uma distopia, e você precisa explicar o porquê de ter ocorrido tudo aquilo. E em último caso, um pedaço do clímax pode ser adicionado.

Pense primeiro como leitor

Uma dica que pode poupar muito tempo de desenvolvimento é você pensar como um leitor. Imagine que você tenha acabado de comprar um livro que ouviu falar, você gostaria de passar por um prólogo de duas, três páginas? Isso vai influenciar o leitor para o entendimento do livro? Tudo isso deve ser levado em consideração.

O prologo realmente é importante?

Analise muito bem antes de criar um prólogo, pense se realmente ele é importante dentro da narrativa. Será que as informações do prologo não poderiam ser adicionadas aos poucos na história? Leve tudo isso em consideração.

Falsa Expectativa

Uma das coisas mais frustrantes que existe é você ler alguma cena que está no prólogo e ficar na ansiedade para chegar logo naquela parte do livro e quando chega essa parte, você nota que o autor te deixou na ansiedade atoa, a parte não era algo imprescindível. Isso é a falsa expectativa, antes de colocar um pedaço do livro no prólogo, tenha em mente que seus leitores criaram expectativas sobre aquela cena, então se não for realmente muito importante para o desenvolvimento da história, corte.

O lado bom de usar um prólogo

Eu sou meio cético com respeito a uso de prólogos, mas admito que usado da forma certa ele pode salvar o seu livro. Um bom uso desse recurso é se seu livro tem um início meio fraquinho ou cansativo. Claro que ninguém quer fazer um livro com um início fraco, mas nem sempre conseguimos fugir disso. Caso esse seja o seu caso, um pedaço do clímax pode salvar a sua obra, mas atenção, de forma alguma de spoiler de algo para o seu leitor, use essa dica com sabedoria.

Outro uso de prólogos que eu acho aceitável é para continuações de trilogias ou sagas. Vamos supor que os livros tenham uma diferença temporal de cinco ou dez anos de um para o outro, então um prólogo para situar o leitor é aceitável, assim ele não vai se perder durante a leitura. O seu leitor não se importará de ler um prólogo de um segundo livro, pois ele já criou empatia com os personagens no primeiro.

Afinal usar ou não usar?

Se realmente for inevitável o uso, sim, use. Mas sempre tente fugir disso. Principalmente se for o primeiro livro, pois o seu leitor ainda não conhece a sua obra, não leu nenhuma obra sua e um prólogo usado erroneamente pode até passar outra imagem para o leitor, uma totalmente diferente da que você inicialmente tentou passar.

[Resenha] Enquanto em Vegas | A. Britto

Olá pessoas!

Para hoje trouxe a resenha de mais um dos livros da autora A. Britto, parceira aqui do blog. Iremos conhecer mais a história de Nick e Kylee. Nesse caso aquela famosa frase ” o que acontece em Vegas, fica em Vegas” não é nem um pouquinho válida.



capa.jpgTítulo: Enquanto em Vegas

Autor(a): A. Britto

Páginas: 131

Editora: Independente

Classificação: Design sem nome (1)

Sinopse: O que acontece em Vegas nem sempre fica em Vegas…

Um final de semana em Las Vegas, com minha melhor amiga, seu namorado… E Nick.

Apesar dele, era para ser divertido… Mas acabou sendo um desastre.

Nick e eu estudávamos na mesma faculdade, e eu olhava com desdém como metade do campus queria ir para a cama com ele, e a outra metade já estivera lá… E odiava como agora eu fazia parte do segundo grupo.

Eu não sabia o que fazer quando acordei na cama com Nick, o maior idiota de todos os tempos.

Mas essa era apenas a ponta do iceberg, e aquela noite mudaria para sempre nossas vidas…”



Kylee e Nick se odeiam, não conseguem conviver em paz. Eles se “aturam” porque seus melhores amigos os obrigam, senão um já teria matado o outro. Tudo acontece quando Steve e Bethany, convencem seus amigos a passar um final de semana em Vegas. Continuar lendo